???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/1227
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorSTUDART, Adriana Gallotti-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/5720754259209180por
dc.contributor.advisor1Machado Júnior, Hélio Fernandes-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3462534255321209por
dc.contributor.advisor-co1Gaspar, Arlene-
dc.contributor.advisor-co1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6335358183633320por
dc.contributor.referee1Costa, Stella Regina Reis da-
dc.contributor.referee2Marsico, Eliane Teixeira-
dc.date.accessioned2016-10-03T17:26:35Z-
dc.date.issued2011-03-03-
dc.identifier.citationSTUDART, Adriana Gallotti. Avaliação das práticas sanitárias ligadas à biossegurança de suprimento de água, serviço de alimentação e gestão de resíduos em campanha na AMAN. 2011. 75 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Instituto de Tecnologia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, 2011.por
dc.identifier.urihttps://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/1227-
dc.description.resumoO presente trabalho trata das questões higiênico-sanitárias nas atividades de campanha do Exército Brasileiro. Nessas situações, grandes efetivos podem estar expostos a sérios riscos à saúde, antes mesmo das atividades bélicas em si. Por essa razão, o objetivo deste estudo foi investigar as práticas a serem implementadas para se aumentar a biossegurança relacionada ao suprimento de água, serviço de alimentação e gestão de resíduos em campanha. Para tal, foram levantados os processos e assuntos de interesse sanitário pela observação não-participante de quatro atividades de campanha realizadas na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), de junho a novembro de 2010. Uma lista de verificação específica foi elaborada e aplicada nas três primeiras atividades sendo, posteriormente, produzido um Manual de Boas Práticas. No sentido de validar este documento, uma instrução sobre assuntos correlatos foi ministrada aos militares envolvidos. Posteriormente, uma nova aplicação da lista de verificação foi realizada em uma última atividade para comparar os resultados. Paralelamente, foram realizadas análises microbiológicas e físico-químicas da água de consumo de todas as atividades acompanhadas. Além disso, foi avaliada a higienização dos reservatórios de água através da contagem de mesófilos aeróbios e da presença ou ausência de bactérias do grupo coliforme. Tabulados os resultados, confirmou-se a tendência de melhoria na situação geral de biossegurança. Concluiu-se, portanto, que a aplicação das boas práticas, consolidadas no Manual proposto, é capaz de aumentar os níveis de biossegurança de uma tropa em campanha no âmbito do Exército Brasileiro.por
dc.description.abstractThis paper deals with the hygienic and sanitary issues in campaign activities of the Brazilian Army. In these situations, large number of people may be exposed to serious health risks, even before entering combat. Therefore, the objective of this study was to investigate the practices to be implemented to enhance biosecurity related to water supply, food service and waste management in the campaign. To this end, it was raised the processes and issues of interest to health by non-participant observation of four campaign activities conducted at the Military Academy of Agulhas Negras (AMAN), from June to November 2010. A specific checklist was developed and implemented in the first three activities were subsequently produced a Manual of Good Practice. In order to validate this document, an instruction was given on topics related to the military involved. Subsequently, a new application of the checklist was performed in a final activity to compare the results. In parallel, were analyzed for microbiological and physical-chemical water consumption in all the activities together. Furthermore, it was evaluated the cleanliness of water tanks by aerobic mesophilic count and the presence or absence of coliform bacteria. Tabulated the results confirmed the trend of improvement in the overall situation of biosecurity. It was concluded therefore that the application of good practices, consolidated in the proposed manual, can increase levels of biosecurity of troops on campaign in the Brazilian Army.por
dc.description.provenanceSubmitted by Sandra Pereira (srpereira@ufrrj.br) on 2016-10-03T17:26:35Z No. of bitstreams: 1 2011 - Adriana Gallotti Studart.pdf: 5477496 bytes, checksum: 8ffde9ac7ac95870e0b166e4c1357723 (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2016-10-03T17:26:35Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2011 - Adriana Gallotti Studart.pdf: 5477496 bytes, checksum: 8ffde9ac7ac95870e0b166e4c1357723 (MD5) Previous issue date: 2011-03-03eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal Rural do Rio de Janeiropor
dc.publisher.departmentInstituto de Tecnologiapor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUFRRJpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentospor
dc.relation.references6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 10004: Resíduos sólidos - Classificação, 2. ed., mai. 2004, 77 p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NBR 9648: Estudo de concepção de sistemas de esgoto sanitário. Nov. 1986, 5 p. A.P.H.A. American Public Health Association. Standard methods for the Examination of Water & Wastewater. 21. ed., Washington, 2005. BRASIL. Constituição (1988). Artigo 225. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, out. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituiçao.htm. Acessado em: 18 dez 2010. BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Secretaria Geral do Exército. Boletim do Exército nº 49/2010, de 10 de dezembro de 2010. Brasília, DF. BRASIL. Ministério da Defesa. Portaria n° 854/SELOM, de 04 de julho de 2005. Aprova o Regulamento Técnico de Boas Práticas em Segurança Alimentar nas Organizações Militares. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, nº 134, 14 jul. 2005. Seção 1. BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA. RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004a. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 16 set. 2004. BRASIL. Ministério da Saúde. ANVISA. RDC Nº 275, de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/ Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/ Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, nº 206, 23 out. 2002, Seção 1, p. 126. BRASIL. Ministério da Saúde. FUNASA. Manual Integrado de Prevenção e Controle de Doenças Transmitidas por Alimentos. Brasília: FUNASA, 2001. 154 p. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/area.cfm?id_area=1133. Acessado em: 17 de janeiro de 2011. 38 BRASIL. Ministério da Saúde. FUNASA. Manual prático de análise de água. 3ª ed. rev. - Brasília: FUNASA, 2009. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 4ª. ed. ampl. - Brasília: Ministério da Saúde, 2004b. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 326 de 30 de junho de 1997. Aprova o Regulamento técnico sobre as condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos produtores/ industrializadores de alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 01 ago. 1997. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 518 de 2004c. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2005. BRASIL. Ministério do Exército. Estado-Maior do Exército. C 21-10: Higiene Militar e Saneamento em Campanha. 1. ed. Brasília: EGGCF, 1975. CIRILLO, Vincent J. “Winged Sponges”: Houseflies as Carriers of Typhoid Fever in 19thand Early 20th-Century Military Camps. Perspectives in Biology and Medicine, v. 49, n 1, p. 52-63, North Brunswick, NJ, 2006. FELLOWS, P. J. Tecnologia do processamento de alimentos: princípios e prática. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. FORSYTHE, S. J. Microbiologia da Segurança Alimentar. Porto Alegre: Artmed, 2002. 424 p. GERMANO, M. I. S.; GERMANO, M. I. S.; KAMEI, C. A. K.; ABREU, E. S.; RIBEIRO, E. R.; SILVA, K. C.; LAMARDO, L. C. A.; Rocha, M. F. G.; VIEIRA, V. K. I.; KAWASAKI, V. M. Manipuladores de alimentos: capacitar? É preciso. Regulamentar? Será preciso? Higiene Alimentar, v. 14, p. 18-22, 2000. HAMER, G. Solid waste treatment and disposal: effects on public health and environmental safety. Biotechnology Advances, v. 22, n. 1-2, p. 71-79, dec. 2003. HARRIGAN, W. F. Laboratory methods in food microbiology. 3. ed. San Diego: Academic Press Limited, 1998. 39 HYAMS, K. C. Hanson, K.; Wignall, F. S.; Escamilla, J.; Oldfield, E. C. The impact of infectious diseases on the health of U. S. troops deployed to the Persian Gulf during operations desert shield and desert storm. Clinical Infectious Diseases, v. 20, n. 6, p. 1497-1504, 1995. ICMSF. International Commission on Microbiological Specifications for Foods. APPCC na qualidade e segurança microbiológica de alimentos: análises de perigos e pontos críticos de controle para garantir a qualidade e segurança microbiológica de alimentos. São Paulo: Livraria Varela, 1997. 377 p. JAY, J. M. Microbiologia de Alimentos. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005. JOSEPH, B.; OTTA, S. K., KARUNASAGAR, I. AND KARUNASAGAR, I. Biofilm formation by Salmonella spp. on food contact surfaces and their sensitivity to sanitizers. International Journal of Food Microbiology. v. 64, Issue 3, p. 367-372, 2001. LEITE, A. de B.; SILVA, C. A. da; LIMA, J. R. P. de A. Proposta de um Indicador de Qualidade para os Serviços de Aprovisionamento do Exército (IQSA). Revista Científica da Escola de Administração do Exército. Salvador – Bahia, v.1, n.1, p.150-167, 2005. LINO, ISABELA COUTINHO. Seleção de áreas para implantação de aterros sanitários: análise comparativa de métodos. 2007. 85 f. Dissertação (Mestrado em Geociências e Meio Ambiente) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro, 2007. MONTEVILLE, M. R.; RIDDLE, M. S.; BAHT, U.; PUTNAM, S. D.; FRENCK, R. W.; BROOKS, K.; MOUSTAFA, M.; BLAND, J.; SANDERS, J. W. Incidence, etiology, and impact of diarrhea among deployed us military personnel in support of operation Iraqi freedom and operation enduring freedom. The American Society of Tropical Medicine and Hygiene, v.75, p.762-767, 2006. NASCIMENTO NETO, F. do (Coord); GOMES, C. A. O.; SANTIAGO, D. G.; ALVARENGA, M. B.; SILVA, S. V. da; BARROS, V. W de. Roteiro para Elaboração de Boas Práticas de Fabricação (BPF) em Restaurantes. 2. ed. rev. São Paulo: Editora SENAC, São Paulo, 2005. OLIVEIRA, K. M. P., OLIVEIRA, T. C. R. M. Biofilmes microbianos e resistência aos sanitizantes: uma revisão. Revista Higiene Alimentar. v. 22, n. 161, p. 54-59, 2008. 40 OLSEN, S.J.; MACKINON, L. C.; GOULDING, J. S.; BEAN, N. H.; SLUTSKER, L. Surveillance for Foodborne Disease Outbreaks - United States, 1993-1997. CDC - MMWR - Surveillance Summaries. 49 (SS01) 1-51. 2000. Disponível em: http://www.cdc.gov/mmwR/preview/mmwrhtml/ss4901a1.htm. Acesso em: 17 Jan de 2011. PERESI, J. T.M; Almeida, A. Z. C., Lima, S. I.; Marques, D. F., Rodrigues, E. C. A.; FERNANDES, S. A.; GELLI, D. S. e IRINO, K. Surtos de enfermidades transmitidas por alimentos causados por Salmonella Enteritidis. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 32, n. 5, Oct. p. 1998. Acesso em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034- 89101998000500011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17 Jan 2011. PETRY, André Torres. Efeito potencial de gradiente trófico em rio urbano na formação de trihalometanos. 2005. 113 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, abr. 2005. SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado do Meio Ambiente. CETESB. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. 29 jan. 2001. Disponível em: http://www.cetesb.sp.gov.br/emergencia/acidentes/vazamento/impactos/conceitos.asp Acessado em 29/12/2010. SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Saúde. CVS - Centro de Vigilância Sanitária. São Paulo. Portaria nº 09 de novembro de 2000. Aprovou a norma técnica para empresas prestadoras de serviço em controle de vetores e pragas urbanas. SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Saúde. Coordenação dos Institutos de Pesquisa. CVS - Centro de Vigilância Sanitária. São Paulo. Portaria CVS-15, de 17 de novembro 1991. SHIA, X. and ZHU, X. Biofilm formation and food safety in food industries. Food Science & Technology. v. 20, p. 407-413, 2009. SILVA JUNIOR, E. A. Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos. 4a ed. São Paulo: Livraria Varela, 2001. 475 p. SINDE, E AND CARBALLO, J. Attachment of Salmonella spp. and Listeria monocytogenes to stainless steel, rubber and polytetrafluorethylene: the influence of free energy and the effect of commercial sanitizers. Food Microbiol., v. 17, p. 439-447, 2000. 41 SISINNO, C. L. S.; OLIVEIRA, R. M. Impacto ambiental dos grandes depósitos de resíduos urbanos e industriais. In: ____. Resíduos sólidos, ambiente e saúde: uma visão multidisciplinar. 1. ed., Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 59-78, 2000. U. S. Army Corps of Engineers. Water Quality Management Program: Historical Perspective. Disponível em: <http://www.lrd.usace.army.mil/wq/overview/> Acesso em: 10 mai. 2008. U. S. Department of the Army, Headquarters. FM 10 - 23. Field Manual. Basic doctrine for army field feeding and class I operations management. Washington, DC, 18 april. 1996. U. S. Department of the Army, Marine Corps. FM 21-10 - MCRP 4-11. Field Manual. Field hygiene and sanitation. 1d. Washington, DC, 21 jun. 2000. USEPA (Unites States Environmental Protection). Guidance Manual for Conducting Sanitary Surveys of Public Water Systems; Surface Water and Ground Water Under the Direct Influence (GWUDI). Office of Water. April, 1999. Disponível em: http://www.epa.gov/safewater/mdbp/pdf/sansurv/sansurv.pdf. Acesso em: 12 nov. 2010. WALLACE, C.; WILLIAMS, T. Pre-requisites: a help or a hindrance to HACCP? Food Control. v. 12, n. 12, p. 235-240, 2001. WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Guidelines for Drinking-Water Quality. Vol. 1, Recommendations. - 3ª ed. Geneva: WHO, 2008. ZOTTOLA, E. A.; SASAHARA, K. C. Microbial biofilms in the food processing industry - should they be a concern? International Journal of Food Microbiology. v. 23, p. 125- 148, 1994. 42por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectBiosecurityeng
dc.subjectBrazilian Armyeng
dc.subjectcampaign activityeng
dc.subjectfoodeng
dc.subjectwatereng
dc.subjectBiossegurançapor
dc.subjectExército Brasileiropor
dc.subjectatividade de campanhapor
dc.subjectalimentospor
dc.subjectáguapor
dc.subjecthigiene.por
dc.subjecthygienepor
dc.subject.cnpqCiências Agráriaspor
dc.titleAvaliação das práticas sanitárias ligadas à biossegurança de suprimento de água, serviço de alimentação e gestão de resíduos em campanha na AMANpor
dc.title.alternativeEvaluation of sanitary practices relating to biosecurity water supply, food service and waste management campaign in the AMANeng
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:MESTRADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011 - Adriana Gallotti Studart.pdfDocumento principal5.35 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.