???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/2735
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorBez, Andreia da Silva-
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/3080658045407338por
dc.contributor.advisor1Lino, Lucilia Augusta-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6864986517265595por
dc.contributor.referee1Damasceno, Allan Rocha-
dc.contributor.referee2Costa, Valdelúcia Alves da-
dc.date.accessioned2019-06-11T11:57:10Z-
dc.date.issued2011-04-13-
dc.identifier.citationBez, Andreia da Silva. Inclusão escolar: as experiências do Grupo de Discussão do Instituto Federal Catarinense - Campus sombrio.. 2011. [88 f.]. Dissertação( Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, [Seropédica - Rio de Janeiro] .por
dc.identifier.urihttps://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/2735-
dc.description.resumoEsta dissertação é um estudo de caso sobre o Grupo de Discussão do Instituto Federal Catarinense campus Sombrio, iniciado em 2008, no qual participam professores, gestores da área pedagógica, e equipe pedagógica. O Grupo foi instituído visando à atualização, troca de experiências pedagógicas e aprofundamento de estudos em torno da inclusão de alunos com necessidades específicas. O objetivo da pesquisa foi avaliar o papel desse grupo, enquanto instância formativa, no que tange à compreensão sobre a inclusão escolar e a sua influência na prática docente. Para tanto, identificou-se o perfil dos professores participantes; buscouse a compreensão de inclusão manifesta pelos docentes; identificando-se as dificuldades encontradas por eles no processo de inclusão e, quais as alterações ocorridas nas práticas pedagógicas a partir das discussões. Os procedimentos metodológicos desse estudo dividiram-se em três fases: exploratória, coleta de dados, análise sistemática dos dados. A fase exploratória visou à caracterização do campo de pesquisa. A fase de coleta de dados ocorreu através das técnicas de observação sistemática (diário de campo) e questionário. Adotou-se o diário de campo a partir do segundo semestre de 2009, enquanto o questionário foi aplicado no início do segundo semestre de 2010. A fase de análise dos dados consistiu em uma organização dos dados coletados e sua interpretação, através da técnica de análise de conteúdo. Ao final da investigação pudemos concluir que a compreensão sobre a inclusão escolar passa por um entendimento da aprendizagem que remete a conceitos e pressupostos distintos; que as principais dificuldades encontradas enfocam as intervenções pedagógicas - práticas frente às necessidades específicas; que as discussões levaram a reflexões sobre as necessidades dos alunos e sobre a atuação docente frente as mesmas, principalmente na identificação e na realização de algumas adaptações em sala de aula, o que caracteriza mudanças. Ao final, considerou-se que o cotidiano escolar apresentado como foco das discussões do grupo, a partir de seus desafios, dificuldades e experiências, configura-se como uma possibilidade de espaço formativo dos educadores. Da mesma forma, em relação ao tempo de desenvolvimento do grupo surge como positiva a abertura e legitimação desse espaço para esse tipo de discussão, bem como na sua consolidação como política de inclusão do IFC - Campus Sombrio.por
dc.description.abstractThis Master thesis is a case study on the discussion group of Campus Sombrio, that was started in 2008, involving teachers, educational managers in the field, and pedagogical team. The Group was established in order to upgrade, exchange of teaching experience and further studies about the inclusion of students with specific needs. The research objective was to evaluate the role of this group as training instance, regarding the understanding of inclusive education and its influence on teaching practice. To this end, we identified the profile of teachers; we sought to clear the understandings of inclusion by teachers, identifying the difficulties encountered by them in the inclusion process, and what changes in teaching practices from the discussions. The methodological procedures of this study were divided into three phases: exploratory, data collection and systematic analysis of the data. The exploratory phase aimed at the characterization of the search field. The phase of data collection occurred through the techniques of systematic observation (field diary) and questionnaire. The field diary was adopted from the second half of 2009, while the questionnaire was administered early in the second half of 2010. The phase of analysis of data consisted of an organization of collected data and its interpretation by the technique of content analysis. At the end of the investigation we could conclude that the understanding of inclusive education involves an understanding of learning which refers to different concepts and assumptions; that the main difficulties that focus on pedagogical interventions - face to special needs; that the discussions have led to reflections on the needs of students and on teaching performance against them, especially in identifying and carrying out some adjustments in the classroom, which characterizes changes. In the end, it was realized that the school routine presented as focus of the group discussions from their challenges, difficulties and experiences, appears as a possibility of a space of training to the educators. Likewise, the time of development of the group emerges as a positive opening and a legitimization space for such discussions, as well as its consolidation as a policy of inclusion of the IFC - Campus Sombrio.eng
dc.description.provenanceSubmitted by Sandra Pereira (srpereira@ufrrj.br) on 2019-06-11T11:57:10Z No. of bitstreams: 1 2011 - Andréia da Silva Bez.pdf: 3503868 bytes, checksum: f7399e5caea30b048c33442fcfb13d73 (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2019-06-11T11:57:10Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2011 - Andréia da Silva Bez.pdf: 3503868 bytes, checksum: f7399e5caea30b048c33442fcfb13d73 (MD5) Previous issue date: 2011-04-13eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.thumbnail.urlhttps://tede.ufrrj.br/retrieve/9979/2011%20-%20Andr%c3%a9ia%20da%20Silva%20Bez.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Federal Rural do Rio de Janeiropor
dc.publisher.departmentInstituto de Agronomiapor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUFRRJpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Educação Agrícolapor
dc.relation.referencesABENHAIM, Evanir. Os caminhos da inclusão: breve histórico. In: MACHADO, Adriana Marcondes. et al. (Orgs.). Psicologia e direitos humanos: educação inclusiva, direitos humanos na escola. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005. p. 39-53. AMARAL, Lígia Assumpção. Conhecendo a Deficiência (em companhia de Hércules). São Paulo: Robe, 1995. AMARO, Deigles Giacomelli. Educação Inclusiva, Aprendizagem e Cotidiano Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006. ANACHE, Alexandra Ayach. O psicólogo nas redes de serviços de educação especial: desafios em face da inclusão. In: MARTÍNEZ, Albertina Mitjáns. (Org.). Psicologia Escolar: e compromisso social. 2. ed. São Paulo: Alínea, 2007. p 115-134. __________, MARTÍNEZ, Albertina Mitjáns. O sujeito com deficiência mental: processos de aprendizagem na perspectiva histórico-cultural. In: JESUS, Denise Meyrelles. et al. (Orgs.). Inclusão, Práticas Pedagógicas e Trajetórias de Pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2009. p.43-53. ANDRÉ, Marli Elisa Dalmazo Afonso de. Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Liber Livro, 2005. BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010. BARROS, Aidil de Jesus Paes, LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Projeto de Pesquisa: propostas metodológicas. 18. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. BEYER, Hugo Otto. Aspectos orgânicos, sociais e pedagógicos da síndrome de Down: focando o déficit ou o potencial? In: GOMES, Márcio. (Org.). Construindo trilhas para a inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009a. p. 246-254. __________. O projeto da educação inclusiva: perspectivas e princípios de implementação. In: JESUS, Denise Meyrelles. et al. (Orgs.). Inclusão, Práticas Pedagógicas e Trajetórias de Pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2009b. p. 75-81. __________.A educação inclusiva: ressignificando conceitos e práticas da educação especial. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, v. 1, n.2, p. 8-12, ago. 2006. BEZ, Andréia da Silva. A educação inclusiva e a formação docente: desafios e caminhos. In: XV ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. 2010, Belo Horizonte. ANAIS..., Belo Horizonte, 2010. CD-Rom. __________. A educação inclusiva no município de Santa Rosa do Sul: realidade, dimensões e contribuições. Monografia (conclusão da especialização em Educação 50 􀀀 Profissional Tecnológica Inclusiva), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso – campus Cuiabá – Octayde Jorge da Silva, Cuiabá, 2009. BOCK, Ana Mercês Bahia. Apresentação. In: MACHADO, Adriana Marcondes. et al. (Orgs.) Psicologia e direitos humanos: educação inclusiva, direitos humanos na escola. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005. p. 9-14. CARNEIRO, Moaci Alves. O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. CARVALHO, Rosita Edler. A escola inclusiva como a que remove barreiras para a aprendizagem e para a participação de todos. In: GOMES, Márcio. (Org.). Construindo trilhas para a inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009a. p. 36-50. __________. Removendo barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. 8.ed. Porto Alegre: Mediação, 2009b __________ Escola Inclusiva: a reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre, Mediação, 2008. CGE. Coordenação Geral de Ensino. Quadro de Formação dos Docentes. Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio, 2009. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB 2/2001. Diário Oficial da União, Brasília, 14 de setembro de 2001. Seção 1E, p. 39-40. __________. Resolução CNE/CEB 4/2009. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 2009. Seção 1, p. 17. COSTA-RENDERS, Elizabete Cristina. Eixos da acessibilidade: caminhos pedagógicos rumo à universidade inclusiva. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, n. 4, p. 16-21, jun. 2007. DENARI, Fátima. Um (novo) olhar sobre a formação do professor de educação especial: da segregação à inclusão. In: RODRIGUES, David. (Org.) Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 35-63. DIONNE, Hugues. A Pesquisa Ação para o Desenvolvimento local. Brasília: Líber Livro, 2007. DORZIAT, Ana. A inclusão escolar de surdos: um olhar sobre o currículo. In: JESUS, Denise Meyrelles. et al. (Orgs.). Inclusão, Práticas Pedagógicas e Trajetórias de Pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 54-62. FARIAS, Sandra Sâmara Pires, MAIA, Shirley Rodrigues. O surdocego e o paradigma da inclusão. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, n. 4, p. 26-29, jun. 2007. 51 􀀀 FERREIRA, Júlio Romero. Educação Especial, inclusão e política educacional: notas brasileiras. In: RODRIGUES, David. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 85-113. FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Análise do conteúdo. 3. ed. Brasília: Líber Livro, 2008. FREITAS, Soraia Napoleão. A formação de professores na educação inclusiva: construindo a base de todo o processo. In: RODRIGUES, David. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p.161- 181. FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas Técnicas para o Trabalho Cientifico: elaboração e formatação. 14. ed. Porto Alegre: 2005. GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. O conceito de flexibilidade curricular nas políticas públicas de inclusão educacional. In: JESUS, Denise Meyrelles. et al. (Orgs.). Inclusão, Práticas Pedagógicas e Trajetórias de Pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 11-20. GLAT, Rosana (Org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007. p. 9-11. __________, BLANCO, Leila de Macedo Varela. Educação Especial no contexto da Educação Inclusiva. In: GLAT, Rosana. (Org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007. p. 15 -35. __________, FERNANDES, Edicléa Mascarenhas. Da educação segregada à educação inclusiva: uma breve reflexão sobre os paradigmas educacionais no contexto da educação especial brasileira. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, n. 1, p. 35-39, out. 2005. GOMES, Márcio. (Org.). Construindo trilhas para a inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 19-21. HADDAD, Fernando. Entrevista. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, v. 4, n.1, p. 4-6, jan./jun. 2008. HAZIN, Izabel, MEIRA, Luciano. Múltiplas interpretações para a zona de desenvolvimento proximal na sala de aula. In: CORREIA, Mônica. (Org.). Psicologia e Escola: uma parceria necessária. São Paulo: Alínea, 2004. p. 45-60. KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães, ARRUDA, Elcia Esnarriaga de, BENATTI, Marielle Moreira Santos. Políticas de inclusão: o verso e o reverso de discursos e práticas. In: JESUS, Denise Meyrelles. et al. (Orgs.). Inclusão, Práticas Pedagógicas e Trajetórias de Pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 21-31. LAPLANE, Adriana Lia Friszman de, BATISTA, Cecília Guranieri. O desenvolvimento e a aprendizagem da criança com deficiência visual. In: GOMES, Márcio. (Org.). Construindo trilhas para a inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 175-189. 52 􀀀 MACEDO, Lino de. Ensaios Pedagógicos: como construir uma escola para todos? Porto Alegre: Artmed, 2005. MALUF, Maria Regina. O Psicólogo Escolar e a Alfabetização. In: MARTÍNEZ, Albertina Mitjáns. (Org.). Psicologia Escolar: e compromisso social. 2. ed. São Paulo: Alínea, 2007. p 67-92. MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Igualdade e diferenças na escola: como andar no fio da navalha. In: ARANTES, Valéria Amorim. (Org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos. 2. ed. São Paulo: Summus, 2006a. p.15-30. __________. Inclusão Escolar: o que é? por quê? como fazer?. São Paulo: Moderna, 2006b. __________. O direito de ser, sendo diferente, na escola. In: RODRIGUES, David. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006c. p.183-209. __________. A hora da virada. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, n. 01, p. 24-34, out. 2005. MARTÍNEZ, Albertina Mitjáns. Criatividade no trabalho pedagógico e criatividade na aprendizagem: uma relação necessária? In:TACCA, Maria Carmen V. R. (Org.). Aprendizagem: e trabalho pedagógico. 2. ed. São Paulo: Alínea, 2008. p 69-94. __________. Inclusão Escolar: desafios para o psicólogo. In: ______. (Org.). Psicologia Escolar: e compromisso social. 2.ed. São Paulo: Alínea, 2007. p 95-114. MARTÍNEZ, Miquel. O trabalho docente e os desafios da educação. In: ARANTES, Valéria Amorim. (Org.). Profissão Docente: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2009. p. 41-63. MARTINS, Lúcia de Araújo Ramos. Investindo na escola pública visando a contribuir com a inclusão: relato sobre uma pesquisa participante. . In: JESUS, Denise Meyrelles. et al. (Orgs.). Inclusão, Práticas Pedagógicas e Trajetórias de Pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 93-100. MEC/SEESP. Política nacional de educação na perspectiva da educação inclusiva. Documento elaborado pelo grupo de trabalho nomeado pela portaria ministerial nº 555 de 05 de julho de 2007. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, v. 4 , n.1, p. 7-17, jan./jun. 2008. MEC. Educação Profissional e Tecnológica: projetos e ações 2010. Brasília: Editora IFB, 2010. __________. Plano Nacional de Educação. Brasília, 2000. __________. Plano decenal de educação para todos. Brasília : MEC, 1993. 120p. MENDES, Enicéia Gonçalves, TOYODA, Cristina Yoshie, BISACCIONE, Paola. S.O.S. inclusão escolar: avaliação de um programa de consultoria colaborativa com base em diários 53 􀀀 de campo. In: JESUS, Denise Meyrelles. et al. (Orgs.). Inclusão, Práticas Pedagógicas e Trajetórias de Pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 63-74. MENEZES, Anna Paula de Avelar Brito, ARAÚJO, Cláudia Roberta. Redescobrindo a teoria psicognética à luz da psicologia educacional: contribuições e possíveis desdobramentos. In: CORREIA, Mônica. (Org.). Psicologia e Escola: uma parceria necessária. São Paulo: Alínea, 2004. p.15-43. MYNAYO, Maria Cecília de Souza Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. NETO, Alfredo Veiga. Quando a inclusão pode ser uma forma de exclusão. In: MACHADO, Adriana Marcondes. et al. (Orgs.). Psicologia e direitos humanos: educação inclusiva, direitos humanos na escola. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005. p 55-70. OLIVEIRA, Eloíza de, MACHADO, Kátia da Silva. Adaptações curriculares: caminho para uma Educação Inclusiva. In: GLAT, Rosana. (Org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007. p. 36-52. OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno. Política de educação inclusiva nas escolas: trajetórias de conflitos. In: JESUS, Denise Meyrelles. et al. (Orgs.). Inclusão, Práticas Pedagógicas e Trajetórias de Pesquisa. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 32-40. PACHECO, Roberto. Inclusão de alunos com necessidades especiais no ensino regular I Semana Acadêmica do Curso de Licenciatura em Matemática do Instituto Federal Catarinense. 2010. PACHECO, José. Berços da desigualdade. In: GOMES, Márcio.(Org.). Construindo trilhas para a inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 23-35. PAROLIN, Isabel Cristina Hierro. Aprender e ensinar – família e escola: uma inclusão necessária. In: GOMES, Márcio. (Org.). Construindo trilhas para a inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. p. 36-50. PDI/IFC. Plano de Desenvolvimento Institucional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. Blumenau, 2009. PENIN, Sonia. Profissão docente e contemporaneidade. In: ARANTES, Valéria Amorim. (Org.). Profissão Docente: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2009. p. 15-40. PRIETO, Rosângela Gavioli. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: ARANTES, Valéria Amorim. (Org.). Inclusão escolar: pontos e contrapontos. 2. ed. São Paulo: Summus, 2006. p. 31-73. __________. Inclusão escolar: algumas considerações sobre o conceito e suas implicações. In: MACHADO, Adriana Marcondes. et al. (Org.). Psicologia e direitos humanos: educação inclusiva, direitos humanos na escola.. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005. p. 99- 105. 54 􀀀 RAUEN, Fábio José. Elementos da iniciação à pesquisa. Rio do Sul: Nova Era, 1999. REALI, Aline, TANCREDI, Regina, MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Programa de mentoria online: espaço para o desenvolvimento profissional de professoras iniciantes e experientes. In: Educação e Pesquisa. São Paulo, v.34, n.1 p.77-95, Jan/abril, 2008. REY, Fernando L. González. O sujeito que aprende: desafios do desenvolvimento do tema da aprendizagem na psicologia e na prática pedagógica. In: TACCA, Maria Carmen V. R. (Org.). Aprendizagem: e trabalho pedagógico. 2. ed. São Paulo: Alínea, 2008. p. 29-44. RODRIGUES, David. Dez idéias (mal) feitas sobre a educação inclusiva. In: ______ (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p.299-318. SALGADO, Simoni da Silva. Inclusão e processos de formação. In: SANTOS, Mônica Pereira dos Santos, PAULINO, Marcos Moreira,. (Orgs.). Inclusão em educação: culturas, políticas e práticas. São Paulo: Cortez, 2006. p. 59-68. SÁNCHEZ, Pilar Arnaiz. A educação inclusiva: um meio de construir escolas para todos no século XXI. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, n.01, p. 7-17. out. 2005. SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: o paradigma do século 21.In: Inclusão: Revista da Educação Especial. Secretaria de Educação Especial/ MEC. Brasília, n. 01, p. 19-23. out. 2005. SKLIAR, Carlos. A inclusão que é “nossa” e a diferença que é do “outro”. In: RODRIGUES, David. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p.15-34. TUNES, Elizabeth, BARTHOLO, Roberto. O trabalho pedagógico na escola inclusiva. In: TACCA, Maria Carmen V. R. (Org.). Aprendizagem: e trabalho pedagógico. .2. ed. São Paulo: Alínea, 2008. p. 129-148. UNESCO. Declaração de Salamanca e suas Linhas de Ação. Espanha, 1994. VARGAS, Gardia, BECHE, Rose Clér Estivalete, SILVA, Solange Cristina da. Educação especial e aprendizagem. UDESC, Florianópolis, 2003. VEIGAS, Conceição de Maria Corrêa. Educação Profissional: indicações para a ação: interface educação profissional/ educação especial. Brasília: MEC/SEESP, 2003. WEISS, Alba Maria Lemme, CRUZ, Mara Monteiro da. Compreendendo os alunos com dificuldades. In: GLAT, Rosana. (Org.). Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007. p.65-78.por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectInclusão Escolarpor
dc.subjectNecessidades Específicaspor
dc.subjectFormação Docentepor
dc.subjectCotidiano Escolarpor
dc.subjectSchool Inclusioneng
dc.subjectSpecific Needseng
dc.subjectTeacher Educationeng
dc.subjectSchool Routineeng
dc.subject.cnpqAgronomiapor
dc.titleInclusão escolar: as experiências do Grupo de Discussão do Instituto Federal Catarinense - Campus sombrio.por
dc.title.alternativeSchool inclusion: the Discussions Group experiences of Instituto Federal Catarinense Campus Sombrio.eng
dc.typeDissertaçãopor
Appears in Collections:MESTRADO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011 - Andréia da Silva Bez.pdf2011 - Andréia da Silva Bez.3.42 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.